quarta-feira, 20 de maio de 2015

A Incontinência Urinária e a Fisioterapia: Um depoimento!

Hoje vamos postar um depoimento de uma paciente muito querida que hoje faz só manutenção de todo o trabalho onde ela adquiriu confiança para sair de casa sem ter que procurar por um banheiro e/ou ter sempre que usar um absorvente para evitar molhar a calcinha.

Segue o depoimento de uma paciente muito perseverante e disciplinada com seu bem estar.

"Há um ano atrás, percebendo já algum tempo pequena perda de urina quando tossia e espirrava, resolvi consultar um urologista. Para minha surpresa baseado em alguns exames que levei, não recomendou nenhum exame, a não ser me encaminhar para uma fisioterapeuta urológica. Foi muito bom tudo que lá aprendi com os exercícios dados por ela, pois passei a ter uma qualidade de vida muito melhor, sentia com frequência necessidade de urinar, perda de urina quando tossia e espirrava e com esses exercícios algum tempo praticado na clínica, aprendi o que é contrair e principalmente o fortalecimento dessa musculatura. Hoje já estou fazendo por conta própria esses exercícios, pois conscientizei-me que não posso parar, caso contrário terei sérios problemas futuramente com a musculatura flácida. 

Com carinho e agradecimento "


Agradecemos sua confiança no nosso trabalho.



Por isso não deixe para amanhã o que pode ser feito hoje. Quanto mais cedo a procura por um trabalho especializado mais rápido é seu resultado e sem efeitos colaterais.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Atenção Gestantes! A Incontinência Urinária pode acontecer para quem tem Parto Normal ou Cesárea


Durante a gestação e o parto os músculos ficam sobrecarregados e podem causar um desequilíbrio da musculatura do assoalho pélvico por lesões mecânicas ou neurológicas. “A perfeita ligação dessa musculatura garante o funcionamento adequado do organismo, sendo responsável por garantir a continência urinária, fecal e a função sexual”, reforça Cláudia Soares Laranjeira. 
“No parto normal a mulher precisa de uma musculatura forte o suficiente para distender e uma boa capacidade de estiramento que facilite que o bebê saia sem o risco de lesões. O acompanhamento e os exercícios para o assoalho pélvico na gestação têm benefícios comprovados cientificamente de prevenção das incontinências (urinária e fecal) e das disfunções sexuais. As disfunções do assoalho pélvico são multifatoriais: idade, ganho excessivo de peso, múltiplos partos, idade e menopausa. “Parto não é causa única de lesões no assoalho pélvico”, diz a médica.


Para a fisioterapeuta Elza Baracho, toda mulher que tem o desejo de engravidar deveria passar por uma avaliação fisioterápica. Segundo ela, na 21a semana de gravidez o músculo da região perineal muda de forma e essa alteração vai repercutir durante a gravidez e no pós-parto. “Parto normal ou cesariana, a mulher terá alteração na musculatura do assoalho pélvico”








O trabalho do assoalho pélvico, através de exercícios específicos orientados pelo fisioterapeuta, ajudará na prevenção de incontinência urinária durante a gravidez e após o parto.

A procura precoce por um profissional especializado, garante uma gestação com qualidade de vida e que vai repercutir em todas as fases da vida da mulher.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Incontinência Urinária também afeta mulheres jovens

A Incontinência Urinária é qualquer tipo de perda involuntária de urina, desde gotas a uma perda total do xixi.

Com a evolução da sociedade, as mulheres tem desempenhado múltiplas tarefas, cuidando mais da estética e deixando a sua saúde em segundo plano. É comum pensar que a perda de xixi acontece somente com idosos, mas essa queixa tem aumentado entre as mulheres mais jovens devido ao excesso de esforço nas atividades físicas ou por uma disfunção no músculo da bexiga.

Resultado de imagem para incontinência urinária feminina
Estimativas mostram que de 10% a 55% das mulheres entre 15 e 64 anos apresentam sintomas da doença. A vergonha e a falta de conhecimento podem atrasar a procura por ajuda, o que dificulta o tratamento, podendo levar a um procedimento cirúrgico com maiores gastos e riscos.

A fisioterapia pélvica, através de exercícios específicos e individualizados, ajuda a diminuir essa estimativa para que a mulher tenha melhor qualidade de vida independente da idade. Vai ajudar a controlar o xixi enquanto está na academia (principalmente quando faz o famoso Jump ou puxa muito peso), no Pilates, enquanto pula, tosse e dá risadas. Também ajuda a controlar a frequência e as corridas ao banheiro.

Procure um profissional especializado!



terça-feira, 5 de maio de 2015

Por que toda mulher deveria fazer Fisioterapia de Assoalho pélvico?

Bom dia, hoje vamos fazer um "repost" novamente pois o assunto é para mostrar o porque é tão importante a mulher realizar a Fisioterapia de Assoalho Pélvico. A matéria saiu no blog http://blog.sensorella.com.br/ escrito pela Fisioterapeuta também especialista em Assoalho Pélvico, Laura Della Negra.

MOTIVOS PORQUE TODA MULHER DEVERIA FAZER FISIOTERAPIA DE ASSOALHO PÉLVICO
"Quem nunca ouviu a avó dizendo que perde urina? Uma amiga que acabou de ter bebê reclamando de flacidez vaginal ou às vezes até mesmo perda de flatos? Uma amiga que pratica corrida ou outros esportes de impacto e perde urina?
Pois saiba que 30 % das mulheres não tem consciência do assoalho pélvico. E não é culpa nossa, como conhecer um músculo que não sabemos ao menos onde fica?
Ocorre que muitas vezes o profissional que nos dá aula de ginástica também não sabe. Por diversas vezes esse músculo é confundido com o glúteo e os adutores (bumbum e parte interna da coxa). Assim, como ele está numa região “íntima” não é possível reconhecer a contração, e o profissional não pode dar um exemplo mostrando como fazer o exercício.
Antigamente a incontinência urinária era encarada como uma doença de idosos. Entretanto, a incontinência urinária (IU) é uma queixa comum na população feminina em geral, com taxas que variam entre 10% e 55% em mulheres de 15-64 anos. Em praticantes de esportes pode variar de 0 a 80%.
Os fisioterapeutas especializados em reabilitação do assoalho pélvico sabem reconhecer e avaliar essa musculatura com exames e testes específicos. Existem exercícios específicos que devem ser dados às mulheres que tem falta da consciência dessa musculatura e exercícios avançados que são dados a mulheres que já sabem contrair.
A idéia do fisioterapeuta deve ser de ensinar e orientar a mulher sobre: como, onde, e quando realizar as contrações."
Por isso é importante que toda mulher faça Fisioterapia do Assoalho Pélvico. Seja para prevenir e/ou tratar essas disfunções o que não são somente uma doença no idoso e muito menos normal. Outro benefício bem interessante, o trabalho do assoalho pélvico melhora na função e satisfação sexual da mulher e do parceiro.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Prevenção de lacerações no parto: Massagem perineal!

Hoje vamos postar uma matéria muito interessante que saiu no Núcleo Bem Nascer e de extrema importância. O texto é um pouco extenso mas vale a pena ler, tem dicas de como realizar a massagem perineal e assim poder evitar as desagradáveis lacerações assim como a episiotomia (corte feito na hora do parto para saída do bebê).

Vamos lá então:

"A massagem no períneo no período pré-natal tem-se mostrado eficaz na prevenção da necessidade da episiotomia e na diminuição das lacerações que a mulher pode ter durante o parto.
Essa técnica é usada para ajudar no alongamento/flexibilidade e preparar a pele do períneo (parte de pele, músculos etc. entre a vagina e o ânus) para o parto.
Essa massagem não vai apenas preparar o tecido do seu corpo, mas vai também permitir que você conheça e aprenda sobre as sensações do parto e como controlar esses poderosos músculos. Este conhecimento a auxiliará ao preparar-se para dar à luz o seu bebé. O conhecimento do que você sente nessa região do corpo vai ajudá-la a manter-se relaxada e a relaxar o períneo no parto e também durante outros exames vaginais que tenha que fazer em sua vida.
Massagem perineal para prevenção de lacerações no parto
 INSTRUÇÕES:
- Você deve iniciar a massagem perineal com aproximadamente 34 semanas de gestação. Massageie todos os dias por 5 a 10 minutos.
- Encontre um lugar onde se possa sentar e estar sozinha, ou com seu parceiro, ininterruptamente.
- Tente ver seu períneo com ajuda de um espelho, note como ele é. Nem sempre será necessário um espelho para essa tarefa!
- Pode usar compressas com toalhas mornas no períneo por 10 minutos, ou tomar um banho morno (de banheira, assento, ou chuveiro, em último caso), caso precise relaxar.
- Lave as suas mãos e peça ao seu companheiro para fazê-lo também, caso ele a ajude nas massagens.
- Lubrifique seus dedos polegares e o períneo. Você pode usar muitos tipos de lubrificantes: Gel Lubrificante Íntimo (encontrado nos hipermercados e farmácias), KY Gel®, óleo de vitamina E, óleo vegetal puro, óleo de semente de uva.
- Coloque seus dedos polegares um pouco dentro de sua vagina, empurre-os para baixo e pressione para os lados. Deve sentir um leve estiramento, formigamento, ou uma leve queimação, mas nada que seja dolorido. Mantenha esse movimento por 2 minutos ou até que região fique levemente adormecida.
- Se sofreu uma episiotomia ou lacerações prévias, preste especial atenção ao tecido de cicatrização que, geralmente, não é tão elástico e é onde a massagem deve ser feita mais intensamente, com cuidado.
- Massageie em volta e por dentro da região mais externa da vagina e seus tecidos, onde ela se abre, e mantenha sempre a lubrificação.
- Use seus polegares para puxar um pouco os tecidos, forçando-os a abrirem-se, imagine como seria se a cabeça do seu bebé estivesse fazendo esse movimento na hora do parto.
- Se seu parceiro estiver fazendo a massagem, pode ser muito útil que ele use os polegares. A sensação pode ser mais bem percebida por você, mas não deixe de guiá-lo com suas sensações para que ele saiba qual a pressão que deve utilizar. Nesta massagem, quando ela está sendo feita pelas primeiras vezes, é comum que seja possível usar somente um dedo, até que a musculatura seja trabalhada e possa ser estendida.
 ATENÇÃO:
1. Evite mexer no ou abrir o orifício da uretra (logo acima da vagina) para evitar infecções urinárias.
2. Não faça massagens no períneo se você tiver lesões ativas de herpes (isso pode causar o aumento da área das lesões).
3. Pode começar essas massagens em torno da 34a semana de gravidez. Se já passou da 34a semana e ainda não começou, não desista! A massagem pode trazer-lhe benefícios ainda assim. Pode fazê-la pelo menos uma vez por dia.
4. Lembre-se que a massagem sozinha não vai proteger seu períneo, mas ela é parte de um grande esquema. Escolher uma posição vertical para parir (de cócoras, de joelhos, sentada etc.) favorece a distribuição de pressão no períneo. Se escolher parir deitada de lado, isso também reduz muito a pressão no períneo. Deitada de costas, totalmente na horizontal, é a posição para parir em que há mais chances de se provocar lacerações e necessidade de episiotomia."
A Fisioterapia Obstétrica/pélvica te ajuda a como realizar a massagem perineal e ensinar para o parto e o pós parto. 

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dificuldade na relação sexual? Vaginismo pode ser uma das causas.



O Vaginismo é um tipo de dor sexual comum e também é a principal causa de casamentos não consumados (sem sexo). Ocorre uma contração incontrolável do assoalho pélvico causada por dor e medo e que impede a penetração. As causas podem ser diversas e estão ligadas a formação sexual, educação, moral, religião, histórias de abuso etc.
Cinco em cada 100 mulheres sofrem algum grau de vaginismo. 

Resultado de imagem para vaginismo


A busca por esse assunto tem aumentado e atualmente as mulheres tem compartilhado suas experiências de tratamento e cura  em grupos no Whatsapp e facebook.

Mulheres o Vaginismo tem tratamento!

Procure um profissional especialista.