quinta-feira, 27 de agosto de 2015

E aí gravidinhas, em qual fase se encontram?




E para as que já não tem mais essa BARRIGUINHA, quem curtiu ficar assim??
Fase muito boa na vida da mulher e principalmente o filho(a) está protegido de tudo e de todos!!
Curta esse momento, passa muito rápido.

Nós aqui, as fisioterapeutas pélvicas, temos saudades sim!!
Beijos a todas!!

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Incontinência Urinária pode virar epidemia?

Você sabia que a Incontinência Urinária ou Perda de urina ou "Xii, escapou xixi", atinge 5% ou 10 milhões da população brasileira???  Um número muito grande, não é?!! 



Hoje as estimativas e receios são que esse problema seja maior e vire uma "epidemia". Em grandes centros como Rio de Janeiro e São Paulo, foram criadas campanhas para alertar a população de um problema que começa como uma gotinha de xixi eventualmente e que com o tempo se torna um problema social, afetando a qualidade de vida do indivíduo seja ela criança, adulto e/ou o idoso.

Deixe a vergonha de lado e divulgue sobre esse assunto. A perda urinária pode aparecer eventualmente mas essa é a hora de procurar tratamento. O tratamento é indolor, sem efeitos colaterais e de baixo custo ao comparado com cirurgias e medicamentos. Procure saber aqui quais são as possíveis causas, quem sofre mais e seu tratamento para poder prevenir. Prevenção ainda é o melhor remédio.

Entre outros tratamentos, a Fisioterapia Pélvica é considerada primeira linha de escolha.

Procure por um especialista, Fisioterapeuta Pélvico ou converse com um urologista.


quinta-feira, 13 de agosto de 2015

"Hoje eu finalmente me sinto "normal", confiante e me sinto MULHER! Posso dizer que sou uma EX vagínica."

Hoje vamos a mais um depoimento de uma querida paciente. Ela conseguiu identificar que algo não estava funcionando como antes e resolveu ir logo atrás de um profissional. Foi então que ela chegou até nós! 




Então vamos lá ao depoimento !!!

" À pedido da minha fisio, vim aqui contar a minha experiência com o vaginismo! É até difícil eu saber por onde começar, já que diferente de muitas mulheres, eu não sei exatamente quando comecei a ter o vaginismo, mas vou tentar! 
Perdi minha virgindade à mais ou menos 3 anos e de uma forma muito natural.. sem dor, sem complicações e sem estresse, a partir de então minha vida sexual sempre foi tranquila e muito prazerosa! Maaaaaasss, há uns 2 anos, eu passei por uma fase difícil e com várias complicações de saúde e não sei quando, mas comecei a sentir desconforto durante a relação. Achei que seria passageiro, porém a situação só foi piorando, até chegar ao ponto de muitas vezes não conseguir a penetração, ou quando conseguia, ficava tão inchada depois, que só era possível novamente depois de 1 semana! Eu logo pensei que tinha coisa errada, já que sou estudante da área da saúde e já conhecia um pouco da doença! A partir de então, procurei conhecer mais da fisiopatologia, formas de tratamento e depoimentos de mulheres na mesma situação e foi há cerca de 1 mês que eu decidi que eu ia mudar essa condição que meu próprio corpo impôs à mim.. Procurei a fisioterapeuta uroginecológica Alini Cardoso, que foi literalmente a minha luz no fim do túnel.. com sua excelente orientação e dedicação associada aos exercícios, percepção do assoalho pélvico e os nossos queridos dilatadores, posso dizer finalmente que eu sou uma EX vagínica. A cura é possível, tenha fé e nunca desista dela. Hoje eu finalmente me sinto "normal", confiante e me sinto MULHER! "


Parabéns pela sua atitude querida. Você enfrentou o problema de forma rápida. 

E é assim, quanto mais fácil se aceita o problema e/ou a dificuldade, seja ela uma disfunção sexual como um vaginismo ou qualquer outro problema de saúde ou pessoal, temos que erguer a cabeça e passar por cima das próprias barreiras que nos são impostas. 
Problemas todo ser humano tem, uns mais e outros menos, mas acreditamos que sem esses problemas nunca seríamos pessoas melhores.


quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Dor na relação sexual?

Tempos modernos e vida moderna é sinônimo de vida agitada, e como uma das consequências, esquecer de cuidar da própria vida e/ou saúde.
Há muitos anos, a atividade sexual significava para o homem, somente uma necessidade física e para a mulher, procriação. Os tempos foram mudando, evoluindo para uma vida moderna em todos os sentidos, na tecnologia e principalmente no conceito de saúde. Hoje os casais tem investido na qualidade sexual e no bem estar do seu parceiro(a).
A disfunção sexual tem aparecido cada vez mais como queixas em consultório, o que significa que as mulheres, por exemplo, tem percebido que a sexualidade também faz parte da qualidade de vida delas.
A dor na relação sexual, que é chamada de dispaurenia, é uma das disfunções mais freqüentes e chega a 60% das queixas.




Essa disfunção tem tratamento, o fisioterapeuta pélvico, junto com uma equipe multidisciplinar, é capacitado para realizar um tratamento específico para que a paciente e o casal tenham uma melhor qualidade de vida sexual!


sexta-feira, 31 de julho de 2015

Períneo fraco?



Conheça as causas que levam ao enfraquecimento dos músculos do períneo!!!


- Situações com aumento de pressão intra-abdominal: carregar peso, tossir, espirrar, praticar esportes pesados e com alto impacto;

- Obesidade;
- Prisão de ventre;
- Gestação e partos difíceis;
- Envelhecimento;
- Algumas cirurgias ginecológicas.

É possível prevenir e tratar o enfraquecimento. A percepção adequada e o fortalecimento dos músculos do períneo são importantes para alcançar esse objetivo.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Retirada da próstata e Incontinência Urinária


Após a cirurgia de prostatectomia radical (retirada da próstata), uma das complicações mais comuns é a incontinência urinária. 
Estudos comprovam que a Fisioterapia Pélvica utiliza técnicas específicas e eficazes, que contribuem para a diminuição dos sintomas urinários e obtenção mais rápida da continência urinária.




Converse com o seu urologista e procure um fisioterapeuta especialista


quinta-feira, 16 de julho de 2015

Vaginismo: um novo depoimento!

O vaginismo é caracterizado pela contração involuntária dos músculos (espasmo) ao redor do orifício da vagina, causando dor, dificuldade e até impossibilidade de manter relação sexual, sem causa física e na maioria das vezes a causa é psicológica, com influência de uma educação sexual muito rígida, traumas e abusos.

Um dos profissionais responsáveis pelo tratamento do vaginismo é o Fisioterapeuta Pélvico, que utiliza técnicas específicas para orientar e tratar com segurança.

Segue abaixo o depoimento de uma paciente que fez o seu melhor e acreditou que a cura é possível! 

"Ola meninas, estou muito animada com a minha cura e quero partilhar com vocês, assim quem estiver desmotivada pode se animar.
No ano passado, na consulta com o meu ginecologista, ele identificou que eu tinha vaginismo e me indicou o tratamento fisioterapêutico. Foi um dia muito ruim porque senti muita dor durante o exame ginecológico e até chorei na maca de exame, saindo de lá muito constrangida. As relações sexuais também eram uma tortura, e eu me culpava muito por não conseguir fazer o que eu achava que qualquer uma conseguia. Usar absorvente interno era outra dificuldade e sofrimento.
Tentei diversos métodos, que não foram eficazes, como relaxantes musculares e anestésicos, que não diminuíam em quase nada a dor que sentia.
Então no meio desse ano decidi, depois de muito sofrimento e com o apoio do meu namorado, procurar a fisioterapeuta que me foi indicada. Comecei o tratamento e logo fui vendo os progressos, pois os tamanhos dos dilatadores cresciam a cada semana. Em apenas dez sessões eu me livrei de toda a dor e humilhação que sentia quanto a isso.
Agora coloco os absorventes internos sem grandes problemas, fiz hoje o exame ginecológico sem lágrimas e com muita tranquilidade, e as relações sexuais são infinitamente melhores e mais prazerosas, além de serem completamente livres de dor. O relacionamento ficou bem melhor com meu namorado, pois ele também se sentia culpado em me fazer sentir dor.
Então pra quem ainda tem medo ou vergonha de procurar a fisioterapia, ou fica preocupada com o uso dos dilatadores, eu recomendo que experimente. O tratamento é muito tranquilo, respeita seus limites, e é muito recompensador se ver livre de algo tão incomodo.
Meus sinceros agradecimentos à Dr Alini que tornou isso possível com muita competência"

 Emoticon smile




Obrigada querida pela sua confiança, persistência e coragem. Só corrigindo, sua cura foi em 9 sessões.
Confiem em vocês, mulheres, e sejam felizes. É fácil e uma delicia!!!